A vulnerabilidade como poderosa ferramenta para o desempenho das equipes.  Ir para o conteúdo principal

Longe de ser considerada uma fraqueza, a vulnerabilidade pode ser uma poderosa ferramenta para fortalecer a cultura e o desempenho das equipes nas organizações. 

Equipe de trabalho diversa, abraçada e unida

Quando se trata do desenvolvimento de uma equipe de alto desempenho, é preciso, para além de uma liderança inovadora, um time preparado para lidar com situações desafiadoras. Por isso, lhe trazemos este questionamento: a sua empresa já fez as pazes com a vulnerabilidade dos colaboradores?

Aprender a ser vulnerável no ambiente de trabalho implica aceitar as próprias dificuldades e conseguir assumir e expor os seus desafios, quando necessário.  

Trabalhar a vulnerabilidade dentro de uma organização possibilita gerar nos colaboradores o impulsionamento para que eles não deixem de realizar atividades ou até mesmo de se arriscar por medo de falhar ou de lidar com as suas inseguranças. 

Dessa forma, a empresa consegue se manter inovadora e com bons resultados.

Mas como essa percepção da vulnerabilidade mudou ao longo do tempo, de um sinal de fraqueza para um pilar de força organizacional?

Evolução cultural: da fraqueza à força

Há pouco tempo, expor vulnerabilidades no ambiente de trabalho era considerado um indício de fragilidade e falta de preparo profissional. Em uma cultura corporativa conservadora e tradicional, colaboradores eram incentivados a adotar uma postura impenetrável, seguindo a máxima de separar rigorosamente a esfera profissional do pessoal. 

Hoje, empresas com uma cultura organizacional consciente e com um bom preparo de lideranças, conseguem compreender que a inclusão das fragilidades é um caminho para tornar uma organização cada vez mais forte, resiliente e humanizada.

Como dito por Patrick Lencioni, autor de vários livros e fundador presidente do The Table Group:

“a falta de confiança entre os membros da equipe é a primeira e a mais importante disfunção, pois é a partir dela que as demais podem ser desencadeadas.  Esta disfunção atrapalha o trabalho em equipe e pode causar um desperdício de energia, tempo e desmotivação”.

Com frequência, a falta de confiança está enraizada no receio de se expor à vulnerabilidade diante dos outros, revelando fraquezas pessoais.

Em muitas empresas, é cultural enxergar a vulnerabilidade no ambiente de trabalho como uma brecha que permite que outros se destaquem em relação a quem se demonstrou frágil em certo aspecto, sendo considerados profissionais “superiores” e mais “capacitados”. 

Como resultado, frequentemente é incentivado que os profissionais reprimam as suas próprias emoções. 

PARA SE APROFUNDAR NO TEMA, LEIA NOSSO ARTIGO: Qual impacto da cultura do medo para o seu negócio

O poder transformador da vulnerabilidade

Segundo a pesquisadora estadunidense Brené Brown, “nossa capacidade de sermos líderes ousados nunca será maior do que a nossa capacidade para a vulnerabilidade”. Enfrentamos os maiores problemas no trabalho quando evitamos situações ou relações que possam provocar esse sentimento. 

O desafio principal é que, ao negligenciar a sua própria vulnerabilidade, os colaboradores podem não desempenhar as suas funções de maneira funcional. Em seus projetos, inclusive, Brown segue a mesma filosofia de Patrick Lecioni, citado acima, avaliando como a cultura de evitar a vulnerabilidade – caracterizada pelo medo do fracasso, pelo perfeccionismo e pela vergonha –  pode levar a ambientes disfuncionais. 

Líderes que são capazes de abraçar a vulnerabilidade tendem a fomentar ambientes de trabalho mais abertos, inclusivos e inovadores.

Embora Brown não ofereça uma “prova” quantitativa direta do impacto da vulnerabilidade nos resultados dos negócios, seu trabalho fornece uma base teórica sólida e convincente que tem inspirado muitas organizações a repensarem as suas culturas corporativas. 

Empresas ao redor do mundo, como a gigante da animação Pixar e o Google, têm em Brown a sua consultora-guru e implementaram as suas ideias para criar ambientes de trabalho mais abertos e resilientes.

O Google, por sinal, é responsável pela mais ambiciosa pesquisa realizada, o Projeto Aristóteles, com a intenção de compreender melhor o trabalho em equipe de seus funcionários, especificamente responder por que certos times prosperam enquanto outros fracassam. 

Eles levaram anos analisando mais de duzentas composições diferentes de times, mesclando personalidades, históricos profissionais, competências e até graus de interações fora do trabalho, e chegaram à conclusão de que a “segurança psicológica” é fundamental para o sucesso das equipes de alto desempenho. 

Este conceito, fortemente ligado à vulnerabilidade, é descrito pela pesquisadora de Harvard Amy Edmondson como:

“um clima de equipe caracterizado pela confiança interpessoal e respeito mútuo em que as pessoas estão confortáveis sendo elas mesmas, pois possuem a crença de que não serão punidas ou humilhadas por exporem ideias, dúvidas, preocupações ou erros”.

Então, quais são as maneiras eficazes de integrar a vulnerabilidade no núcleo da cultura corporativa, transformando-a em uma alavanca para o sucesso?

Práticas para cultivar um ambiente de vulnerabilidade positiva

  • Maior flexibilidade nas relações 

Abandonar a atitude de “sabe-tudo” é fundamental para fortalecer uma equipe, pois mostra que líderes competentes também cometem erros e que, por trás do sucesso, existem pessoas reais com emoções, dúvidas e desafios.

Compartilhar não apenas as conquistas, mas também as incertezas e emoções que acompanharam o caminho até alcançá-las, promove um ambiente de trabalho mais aberto e confiável. Equipes tendem a se unir mais quando percebem que podem ser vulneráveis e apoiadas.

Além disso, celebrar as conquistas reconhecendo as dificuldades enfrentadas ensina que o crescimento muitas vezes vem de experiências desafiadoras. Isso estimula uma cultura de aprendizado contínuo e de melhoria, promovendo ainda um ambiente de trabalho mais coeso, inovador e resiliente.

  • Momentos de feedbacks com conversas difíceis

Em geral, os colaboradores são os mais afetados por conversas difíceis, mas é crucial entender que todo relacionamento é bidirecional. Pode haver momentos em sua interação com a equipe que resultem em diálogos desafiadores para você.

Por exemplo, se cometer um equívoco, assuma a responsabilidade e peça desculpas. Essa demonstração de vulnerabilidade é altamente apreciada e respeitada, podendo fortalecer consideravelmente a sua credibilidade junto à equipe e estreitar os vínculos de confiança e segurança entre todos.

Se o outro errar, ofereça um feedback claro, honesto e de forma construtiva. As conversas difíceis vão existir sempre visando resolver os problemas. 

  • Ter a confiança como base do relacionamento com a equipe

É fato que, estabelecer uma relação de confiança com os colaboradores é crucial para um negócio, certo? Caso contrário, torna-se desafiador conduzir as responsabilidades cotidianas. Quando a confiança serve como alicerce nas relações entre líder e equipe, a delegação de tarefas e a distribuição de atividades fluem de maneira fácil e natural.

Adotar uma postura vulnerável, e reconhecer que há membros em sua equipe capazes de desempenhar determinadas tarefas de maneira mais eficiente, não reflete fragilidade. Pelo contrário, é uma maneira de reconhecer e valorizar o potencial do time, buscando alcançar resultados superiores para todos.

Quando aplicada com equilíbrio, a vulnerabilidade tem o poder de construir confiança, um elemento frequentemente ausente em muitas equipes, o que prejudica o aprimoramento do desempenho. 

Equipes que aceitam suas vulnerabilidades com mais naturalidade estão mais propensas a solicitar ajuda, estabelecer laços mais estreitos entre os colegas e colaborar de maneira mais eficaz.

Foi possível identificar que utilizar do poder da vulnerabilidade pode modificar toda a estrutura de sua organização, não é? 

Quanto potencial inexplorado reside na honestidade emocional entre líderes e suas equipes?

A chave para um negócio próspero é uma liderança que compreende e valoriza as relações humanas. Descubra, através dos nossos treinamentos e programas, como potencializar contribuições da equipe e cultivar uma cultura de apoio e crescimento mútuo. O Instituto Mudita pode guiá-los nesta jornada transformadora, tornando, assim, vulnerabilidades em alavancas para o sucesso e a geração de resultados para o seu negócio.

Entre em contato conosco através do nosso WhatsApp, será um prazer apoiar você e a sua empresa.  

Quer ter acesso a mais conteúdos como este? Cadastre-se no nosso newsletter por meio deste link e fique por dentro do trabalho do Instituto Mudita, com acesso ilimitado e de forma gratuita!

Deixe uma resposta

×